Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 26 de setembro de 2009

HISTÓRIA DE ROSARIO DO CATETE

SERIE ROSARENSES ILUSTRES Nº 9
200 Anos do Barão de Maroim
Colaboradores
Ibarê Dantas
Há dois séculos, nascia João Gomes de Melo (18.09.1809 – 23.04.1890) no Engenho Santa Bárbara de Cima – termo de São Gonçalo do Pé do Banco, atual Siriri. Apesar de o filho de Clara Angélica de Menezes e Teotônio Correa Dantas haver desempenhado papel importante na política da Província, passado tanto tempo do seu nascimento, não temos uma biografia respeitável. Ao longo dos dois séculos, foi alvo de muitos comentários curtos, mas poucos autores dedicaram-se a estudá-lo. Quando se completava um século do título de Barão, Adalberto Vieira Dantas proferiu uma palestra no Gabinete de Leitura de Maroim sem trazer grandes subsídios ao conhecimento de sua trajetória. Até os famosos biógrafos, Armindo Guaraná e Epifânio Dória, foram, em suas obras, muito sumários nos verbetes sobre o Barão. Um dos que revelaram mais informações foi Zózimo Lima, arguto cronista capelense, em artigo na Revista da Academia Sergipana de Letras, em 1956, contendo dados, que têm sido repetidos por outros escritores sem acrescentar novas informações. O professor Dênio Azevedo publicou artigo no último número da Revista do IHGSE no qual discorreu sobre a discussão sobre a importância do Barão na mudança da capital. Ao nosso ver, os trabalhos mais importantes sobre João Gomes de Melo, o Barão de Maroim, são as Laudas da História de Aracaju de Sebrão Sobrinho, publicado em 1955 e o Esboço Biográfico de Inácio Barbosa, produzido pelo Pe. Aurélio Vasconcelos de Almeida e editado pela Funcaju em três volumes a partir de 2000. Como se vê pelos títulos, o Barão não foi foco principal de nenhuma das duas análises. Não obstante ter atuado na política, sobretudo nas décadas de cinquenta e sessenta do século dezenove, tornando sua figura paradigmática e esclarecedora para se compreender as relações de poder e as tomadas de decisão naqueles momentos cruciais de nossa história, permanecem vários pontos obscuros em sua vida. Por exemplo, como se explica que tenha casado em 1833 com Maria de Faro Rolemberg e Melo (1793? /14.12.1859) viúva de Manuel Rolemberg Azevedo, proprietário de três engenhos (Unha de Gato, Maria Teles e São Joaquim) e tenha permanecido na Bahia até 1838 com tantos bens para administrar? O que se repete sobre sua existência é que foi Deputado Provincial nos períodos 1842/3 e 1848/49. No ano de 1848, recebeu o título nobiliárquico de Barão, assumiu o controle da política de Sergipe em 1852, governou a Província de setembro de 1855 a abril de 1856, período mais crítico da epidemia da cólera, foi deputado geral a partir de 1853, em 1857 concorreu a eleição para senador vitalício sem sucesso. Mas em 1861 teve seu sonho realizado. Sabemos também que fora pouco iniciado nas letras, muito combatido nas lides políticas, mudou de partidos várias vezes, visando ascender e sofreu grandes adversidades familiares, entre as quais a morte da primeira esposa, em 1859, e de uma enteada por envenenamento. Como se sabe, o Barão foi acusado de culpado, ao nosso ver injustamente, por contraparentes interessados na herança. Respondeu processo, mas conseguiu provar sua inocência. De qualquer forma, desgostoso com sua terra, em 1862, transferiu-se para o Rio de Janeiro, casou-se com uma irmã do Visconde de Uruguai, e ficou entre a capital do Império e Petrópolis, cultivando amizades e exercendo silenciosamente seu mandato de Senador Vitalício até o golpe que instaurou a República. Poucos meses depois faleceu.
Engenho Santa Barbara, onde nasceu o Barao (foto Canidé Dantas )
Que podemos dizer de sua importância para política sergipana nos limites estreitos desse artigo? Primeiro, foi um homem hábil, que soube utilizar os recursos auferidos do matrimônio com a viúva de Manuel Rolemberg Azevedo. Emprestou dinheiro a figuras influentes no Império, facilitando sua ascensão e, possivelmente, o título de Barão. Ademais, construiu uma imagem de homem generoso, doando 200 contos para a construção da Igreja de Maroim, cedendo terreno ao Hospital de Caridade, subvencionando instituições culturais, doando terras em Aracaju para casas residenciais e para a Igreja da Matriz. (Cf. Sebrão, p. 222) Como empresário, foi sócio e integrou a diretoria da Associação Sergipense que teve papel relevante no escoamento do açúcar nos anos cinquenta do século XIX e fez outros investimentos significativos em Aracaju. No campo da política, seus maiores feitos foram os seguintes: a) Com o auxílio do governo imperial, enfraqueceu o domínio de Sebastião Gaspar de Almeida Boto, que controlava a política sergipana de forma muito fechada. b) Empenhou-se decisivamente para a mudança da capital. Embora sua participação seja exagerada por Sebrão e diminuída pelo padre Aurélio, seu papel foi de grande importância, senão decisivo, tanto na costura do acordo, quanto no estímulo às primeiras obras. c) Administrou a Província num dos momentos mais dramáticos de sua história com capacidade de iniciativa e decisão. Seu grande problema foi liderar a política de forma muito voltada para os interesses familiares, especialmente de seus sobrinhos, dificultando maior abertura. Apesar de tudo, foi um homem que representou o espírito do seu tempo com alguns gestos que demonstravam visão de futuro.

Igeeja Nossa senhora do Nazaré pertenceu ao Barao de Maruim
(foto Canidé Dantas )