Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

HISTÓRIA DE CARMÓPOLIS - PARTE 01



Carmópolis Histórico



Adailton Andrade


Rancho foi o nome primitivo de Carmópolis. Seu nascimento como povoado data do fim do período Colonial e início do Império resultando de um simples ponto de parada de feirantes; estes aí se reuniam para atravessar em grupo a antiga mata do Bonsucesso, onde havia mocambos de escravos fugidos dos engenhos da Cotinguiba, que com freqüência atacavam os vianjantes. A denominação posterior de Carmo, tem sua origem provável na influência dos Padres Carmelitas da Missão de Japaratuba, os quais, segundo D.Marcos de Souza - Memória da Capitania de Sergipe - 1808, visitaram "as correntes dos dois famosos Japaratuba, dos dois deliciosos Lagartixos e do puro Siriry. Todos estes rios deságuam no mar, quatro léguas abaixo da Missão de Nossa Senhora do Carmo". Do magnífico subsídio de D.Marcos de Souza à História de Sergipe, em que localizava a "Missão de Nossa Senhora do Carmo" quatro léguas acima da atual povoação de Pirambu, na barra do Japaratuba, tira-se a conclusão de que nenhuma dúvida pode ser suscitada quanto à passagem dos Carmelitas por Carmópolis, quando a atual cidade não passava de incipiente povoação. Data dessa época a construção da Igreja de Santana do Massacará, situada a pequena distância de Carmópolis O Município, criou-o a Lei estadual n.° 795, de 23 de outubro de 1920, com território desmembrado do de Rosário; a criação do distrito deve-se à de n.° 819, de 7 de novembro de 1921. Instalado em 1.° de janeiro de 1923, figura o Município de Carmo, em 1933, com um só distrito. Decreto-lei estadual n.° 377, de 31 de dezembro de 1943, modificou para Carmópolis o topônimo do Município e do distrito. Até a presente data permanece o Município de Carmópolis com o distrito único da sede. É Termo vinculado à Comarca de Japaratuba.
As referências mais antigas sobre o território que forma hoje as terras de Carmópolis, a 47 quilômetros de Aracaju, são de 1575, quando as colunas do conquistador Cristóvão de Barros começaram a invadir Sergipe. Depois de exterminar várias nações indígenas, ele doa ao filho, Antônio Cardoso de Barros, boa parte das terras do norte de Sergipe, entre os rios Japaratuba e São Francisco.No fim do período colonial e início do império nascia uma povoação denominada ‘Rancho’. A aldeia surgiu como um ponto de parada de feirantes que ali se aglomeravam e passavam em comboio para a antiga Mata do Bom Sucesso.



 Nela existia um quilombo formado por escravos que fugiam dos engenhos do Cotinguiba e atacavam os viajantes.Depois da chegada dos padres Carmelitas, o povoado Rancho passou a se chamar Carmo.





Num ponto mais alto daquelas terras foi instalada a Missão de Japaratuba e erguida a Igreja de Santana do Massacará. Mas logo depois os religiosos transferiram a missão para o Monte do Carmo de Japaratuba, algumas léguas mais adiante. Não se sabe ao certo, mais acredita-se que a transferência se deu por conta de uma epidemia de varíola. Em 1808 a população indígena nas terras que formam Carmópolis chegou a 300 pessoas.Por muitos anos a agricultura e a pecuária formaram a base da economia de Carmópolis. O município chegou a  ter uma grande produção de cana-de-açúcar, apesar de não possuir usinas. Na pecuária, o rebanho de bovinos chegou a ter 4 mil cabeças. Mas a partir da década de 50, a agricultura e pecuária tiveram queda significativa até na extinção da cana-de-açúcar.






Em 15 de agosto de 1963 a Petrobras descobriu petróleo no campo de Carmópolis. Esse campo abrange os municípios de Japaratuba, Rosário do Catete, Santo Amaro das Brotas, General Maynard e Maruim, o que o torna um dos maiores do Brasil.

A perfuração inicial do poço de Carmópolis começou no dia 1º de agosto de 1963 e o teste de produção foi realizado quinze dias depois. A produção de petróleo naquele poço começou no dia 4 de outubro do mesmo ano, onde eram extraídos cem barris por dia.



No dia 8 de dezembro de 1964, o presidente da República, Castelo Branco, esteve em Carmópolis inspecionando os poços. Em 1967 foi construído o oleoduto Carmópolis - Atalaia Velha. No dia 14 de julho de 1968 o presidente da República, Costa e Silva, também esteve em Carmópolis para acompanhar os trabalhos da Petrobras.





Formação Administrativa
Gentílico: carmopolense

Distrito criado com a denominação de carmo, pela lei estadual nº 819, de 07-11-1921, subordinado ao município de Rosário. Elevado à categoria de município com a denominação de Carmo, pela lei estadual nº 795, de 23-10-1920, desmembrado de Rosário. Sede no atual distrito de Carmo. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1923. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937. Pelo decreto-lei estadual nº 377, de 31-12-1943, revogado pela lei nº 533, de 07-12-1944, o município de Carmo passou a denominar-se Carmópolis.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.



Alteração toponímica distrital
Gentílico: carmopolense


Carmo para Carmópolis alterado, pelo decreto-lei estadual nº 377, de 31-12-1943, revogado pelo decreto nº 533, de 07-12-1944.


PARTE 2
EM BREVE .




_____________________

Licenciado em História, pós-graduado em Ensino Superior em História. Pós Graduando em Sociedade e Cultura Sergipana, aluno especial de mestrado em Ciências Sociais da Universidade Federal de Sergipe. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe.Membro na qualidade de pesquisador dos Grupos de Estudo e Pesquisa da UFS: Estudo do Tempo Presente / UFS. Grupo de Estudos e Pesquisas em História das Mulheres (UFS / CNPq) Grupo de Estudos e Pesquisas Processos Identitários e Poder /UFS . Professor da rede particular e Pública de ensino. Contato : adailton.andrade@bol.com.br adailton_andrade@hotmail.com