Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

PRAÇA HISTÓRICA DE SAO CRISTÓVÃO PATRIMÔNIO MUNDIAL

Praça histórica de Sergipe pode ser eleita patrimônio mundial em Brasília






PARIS, 22 Jul 2010 (AFP) -A Praça de São Francisco, na cidade histórica sergipana de São Cristóvão, poderá ser escolhida como um dos novos sítios naturais ou culturais classificados como patrimônio mundial da Unesco durante a sessão anual que será realizada na próxima semana em Brasília.




A reunião deste ano do comitê -composto por 35 países- ocorrerá em um momento especial para Brasília, cidade Patrimônio Mundial da Unesco, que completa 50 anos de sua fundação.

O Comitê do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura se reúne na capital brasileira de 25 de julho a 3 de agosto para escolher entre os sítios candidatos aqueles que merecem receber a distinção por seu "valor universal excepcional".

Brasil e México são os dois únicos países latino-americanos que integram este ano o comitê, presidido pelo ministro brasileiro da Cultura, João Luiz Silva Ferreira.

Os sítios se juntarão aos 890 sítios já inscritos, sendo 689 culturais, 176 naturais e 25 mistos, em 148 países, que estão na lista criada pela Convenção da Unesco de 1972 sobre a proteção do patrimônio mundial.



Entre os candidatos está a Praça de São Francisco, localizada no município de São Cristóvão, em Sergipe, quarta cidade mais antiga do Brasil. A praça foi erigida para ser o coração de São Cristóvão no final do século XVI e início do XVII. O local possui um grande valor histórico, com uma arquitetura que é testemunha da influência cultural da União Ibérica no Brasil, quando os reinos de Portugal e Espanha se uniram (1580-1640).



Uma candidatura que tem despertado interesse é a paisagem em torno da casa de Charles Darwin, na Grã-Bretanha, em que o autor de "A Origem das Espécies" disse ter elaborado suas teorias revolucionárias.

A lista que será examinada inclui também os presídios da Austrália criados pelos britânicos no período colonial, a Fortaleza Jesus de Mombasa (Quênia), dedicada ao tráfico de escravos, o bazar histórico de Tabriz, no Irã, ou ainda os sítios de fósseis de dinossauros da Espanha.

Os sítios propostos são examinados por dois órgãos consultivos que apresentarão suas recomendações confidenciais ao comitê, composto de representantes de 21 países eleitos por seis anos.

As decisões têm fortes implicações econômicas, principalmente para os países em desenvolvimento, porque a inclusão de um sítio na lista geralmente aumenta a frequência de turistas.





Mas este reconhecimento gera também compromissos em matéria de urbanismo que, se não forem respeitados, podem levar a Unesco a retirar um sítio de sua lista, como foi o caso de Dresden e do Vale do Elba em 2009, na Alemanha, após a construção de uma ponte.

Algumas candidaturas são acompanhadas de forte polêmica, como a da Catedral da Sagrada Família de Antoni Gaudí, em Barcelona. Vizinhos e autoridades querem que a igreja seja incluída na lista para evitar a construção de um túnel para um trem de alta velocidade nas proximidades da construção histórica.

Sem uma exclusão prevista para este ano, o comitê deverá debater o caso do Parque Nacional do Serengeti, na Tanzânia, segundo santuário da vida animal na África, onde uma estrada será construída em 2012.

Outro caso preocupante é o do Lago Baikal na Rússia, o maior do mundo, onde deverá ser reaberta uma fábrica de celulose.



Vários sítios famosos estão "sob vigilância reforçada", como Machu Picchu, no Peru, Samarkand, no Uzbequistão, ou Tombouctou, no Mali, devido ao crescimento urbano desordenado.

E a Unesco poderá ampliar sua lista "de patrimônios em perigo", que inclui 31 sítios, entre eles os parques nacionais da República Democrática do Congo (RDC) e as ilhas Galápagos (Equador), primeiro sítio classificado como patrimônio mundial em 1978.

A inauguração em Brasília terá as presenças do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e da diretora geral da Unesco, Irina Bokova.



Fonte

http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2010/07/praca-historica-de-sergipe-pode-ser-eleita-patrimonio-mundial-em-brasilia.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário