Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

HISTÓRIA DE ITABAINA PARA O CONCURSO

 HISTÓRIA CULTURAL, POLÍTICA E ECONÔMINA DE ITABAINA PARA O CONCURSO

artigo completo em anexo (leia mais )


Cidade da região do Agreste Sergipano, microrregião do Agreste de Itabaiana. Fundada em 1675, está a 188m de altitude, 54 Km distante de Aracaju e em 2007 o IBGE estima sua população em 81.826 habitantes. O clima é semi-árido e é conhecida como a Capital do Caminhão, pois tem o maior percentual de caminhões do Brasil (relação entre o n° de caminhões e o n° de habitantes). Campo do Brito, São Domingos, Ribeirópolis, Moita Bonita e Frei Paulo que são municípios, já foram distritos de Itabaiana. É a quarta maior cidade do estado, sendo superada por Aracaju, São Cristóvão e N. Senhora do Socorro, todas na região metropolitana de Aracaju.





Limites


Itabaiana localiza-se na região central do estado de Sergipe, ocupa a área de 364 quilômetros quadrados. Á a terceira cidade mais importante do interior sergipano, configurando-se no mais importante município da microrregião do agreste de Itabaiana. Fazem parte da microrregião do agreste de Itabaiana os seguintes municípios: Itabaiana, Areia Branca, Campo do Brito, Macambira, Moita Bonita, Malhador e São domingos.



Relevo

O principal acidente geográfico de Itabaiana é a sua serra. Consiste no segundo ponto mais alto do relevo do estado de Sergipe, com 659 metros de altitude. Está localizada entre os municípios de Itabaiana e areia Branca. Nela encontra-se cachoeiras e poços de águas cristalinas como o Poço da Moças. Alem disso recentemente a serra foi nomeada como Parque Nacional da Serra de Itabaiana, além do parque dos Falcões.

A Serra de Itabaiana









O Poço das Moças fica localizado no Rio dos Negros na Serra de ItabaianaNo interior da Serra de Itabaiana atualmente funciona a sede do IBAMA com infra-estrutura para assessorar os estudantes e pesquisadores que se dirigem ao local, com o objetivo de aprofundar seus conhecimentos sobre as potencialidades da Serra. Os funcionários estão preparados para monitorar as visitas pedagógicas exibindo vídeos, slides e mapas além de levar os interessados a se aventurar nas trilhas naturais que permanecem inalteradas pelo homem.



A serra tem convivido ao longo dos anos com diversos problemas decorrentes do desmatamento, queimadas e depredação. A riqueza de Itabaiana não pode ser ameaçada por atitudes isoladas de pessoas sem compreender a importância da preservação, invadem o local sem qualquer tipo de autorização, fazem baderna e ainda deixam lixo por todos os lugares fazendo uso incorreto das nascente, prejudicando o ecossistema. A criação da Estação Ecológica da Serra de Itabaiana em 1978 pelo governo do estado, e a criação do Parque Nacional da Serra de Itabaiana em 2006 pelo governo federal, fez com que pudesse obter maiores recursos financeiros para a constante preservação desse tão importante ecossistema.


Clima


O clima da cidade de Itabaiana é composto de um período de quatro a cinco meses de seca, sendo um clima semi-árido, com temperaturas entre 35°C e 20°C.



Vegetação

A vegetação é formada por plantas características do litoral e do sertão, por ser uma região de transição, ou seja, agreste. A devastação dessa formação florestal foi quase total, mas ainda existente em Frei Paulo, Riachão do Dantas, Areia Branca e Itabaiana. Encontra-se nela o cedro, a aroeira, a sucupira, a jaqueira, o mulungu, o pau d’arco, a peroba, etc.



Economia

Itabaiana é dona de um importante comércio do interior do estado de Sergipe.Além de ser considerada a capital do caminhão,por ter o maior percentual de caminhão por pessoa do país!



Agricultura

Suas atividades diversificadas e a rota comercial fazem de Itabaiana a intermediaria do fluxo de sua produção entre Aracaju (capital do estado) e o sertão, atraindo migrantes da Bahia, Minas Gerais Pernambuco, Alagoas e no estado: Frei Paulo, Campo do Brito, Gracho Cardoso, Macambira, Malhador, Itaporanga d’Ajuda, Monte Alegre, Moita Bonita, Porto da Folha, Simão Dias, São Miguel do Aleixo, Areia Branca, São Domingos, Ribeirópolis, Carira, Pinhão, Pedra Mole, N.S. Aparecida e N.S. da Glória. A agricultura em Itabaiana intensificou-se a partir da década de 1980, através da implantação de perímetros irrigados como Jacarecica e Ribeira. Estes perímetros são cultivados por pequenos agricultores e neles são produzidos cereais, frutas e verduras que abastecem todo o Estado. Nosso município é grande produtor de mandioca, batata-doce, tomate e cebola. Também possui um centro distribuidor de produtos agrícolas que funciona no mercado hortifrutigranjeiro criado em 1991 e exerce uma grande atuação na microrregião. Esse mercado foi criado com o objetivo de melhor organizar a feira, já que é dela que muitas pessoas tiram o sustento.


A feira


Por muito tempo, mesmo quando Itabaiana elevou-se a categoria de Vila, houve em nosso comércio um predomínio de agricultores e comerciantes de secos e molhados (comércio de gênero alimentício). Os tecidos se destacaram em nosso comércio. Não havia confecções industrializadas e sim um número muito grande de alfaiates. Não existiam supermercados, só dois armazéns de secos e molhados, sendo que o principal fica onde é hoje o G.Barbosa e pertencia ao Sr. Euclides Paes Mendonça. A feira de sábado existe desde 1888 e sua colonização dependia da política dominante. Quando o líder político era José Sebrão Carvalho, a feira era na Praça Fausto Cardoso, pois ele tinha casa comercial ao lado da igreja. E quando seu rival dominava, a feira passava para o largo Santo Antonio. Na figura ao lado se vê uma vista aérea atual da Praça Fausto Cardoso ao centro, e abaixo uma parte do Largo Santo Antonio. A feira continuou por muito tempo sem um local fixo. Apenas em 1928 foi definitivamente mudada para o Largo Santo Antonio, onde continua até hoje, e com o crescimento da feira fez-se necessário à criação do Largo José do Prado Franco. O Talho de Carne continuou por muito tempo na Praça Fausto Cardoso. Só em 1947 é que o prefeito Jason Correia construiu o mercado no Largo Santo Antonio. A feira se concentrava dentro do primeiro mercado. Somente em 1939 (aproximadamente) é que foi feito calçamento de pedra da feira e ela ultrapassou o mercado. Como a feira atraía muita gente de áreas circunvizinhas, no dia 22 de setembro de 1954 foi inaugurada também nos dias de quarta-feira. Em 1956, já existia um grande número de caminhões fazendo viagens para os grandes centros do Estado e para o sul do país, especialmente para o estado de São Paulo. Foi aproximadamente nesta época que se deu o início da expansão do comércio. Isso porque essas viagens proporcionavam acesso a uma variedade de mercadorias. Comparando diretamente a mercadoria do sul do país, os produtos puderam ser vendidos a preço mais acessíveis. Além dos caminhões de feira, que transportam passageiros e mercadorias para outras cidades, também é comum na feira carroças de burro e carroças de mão, muito utilizados no transporte de mercadorias dentro da própria cidade. Na feira, adquire-se e comercializam-se produtos dos mais variados: agrícolas, manufaturados e industrializados. O próprio comércio local é beneficiado com as vendas, pois a disposição física da feira, em meio ao centro comercial, contribui para tal. O maior deslocamento de pessoas se dá aos sábados. Nesse dia, a feira recebe desde comprador da capital, ate os compradores de outros municípios como os já destacados anteriormente no mapa das cidades sob influência comercial de Itabaiana. Nas quartas-feiras, o movimento é bem menor, porem, tem se registrado um aumento no número de usuários neste dia, devido à variedade de produtos disponíveis no comércio.
 
Pecuária


No que diz respeita a pecuária, Itabaiana não tem na criação de gado sua principal atividade, nos últimos anos ela tem tido grande expressão na criação de aves destinadas ao abate e a produção de ovos, por estar situada próxima a capital.



Indústria

Em Itabaiana há indústrias de pequeno porte: calçados, bebidas, cerâmica, móveis, algodão, alumínio, de carrocerias de caminhões e implementos rodoviários. Temos também o Curtume São Lourenço, fazendo até comércio de exportação. Embora a maior renda esteja concentrada em fretes de caminhão, dando origem a uma grandiosa festa em torno desses profissionais, a FESTA DO CAMINHONEIRO, que contribui para o progresso do município, festa essa culminando com shows artísticos, brincadeiras, café da manha e desfiles de caminhões pelas ruas da cidade. Através desses dados aqui relacionados, podemos observar que Itabaiana é um dos centros mais dinâmicos do estado destacando-se pelas atividades comerciais e produtos agrícolas, e aí o papel que a feira e o comércio desempenha para o crescimento do município.

 
 
Política    1800-1950

Neste período nada foi alterado, uma vez que a Câmara Municipal continuou administrando a cidade até 1890. Durante o restante do período, assim como ocorria na cena política nacional, o cenário político itabaianense foi conturbado devido a varias sucessões no poder. O período que data de 1930 a 1950, coincidente com os quinze anos do governo Getulista, assim como na República Velha foi grande a sucessão no poder.



Cultura



Vida Musical de Itabaiana

Se Itabaiana tivesse apresentado em todos os setores da sua vida cultural o mesmo desenvolvimento que caracterizou sua jornada na música o panorama seria outro. Porque, foi na música que o Itabaianense mais se destacou, principalmente pela escassez de diversões numa cidade pequena, a sua mocidade, desde os doze anos, praticamente, se entregava de corpo e alma aos estudos musicais. A música em Itabaiana passou a ter tanta importância que houve um aumento tão significativo no número de pessoa interessados, porque passou a ser verificado, quando nesta época quase todos os moradores desta cidade sabia tocar algum instrumento. A vida musical começou desde o século XVIII, e vem, portanto, alicerçada em dois séculos sob o rótulo de varias filarmônicos e de nomes célebres de maestros, em termos regionais. A primeira vez que se falou em música em Itabaiana, ela ainda era uma vila, foi com o padre Francisco da Silva Lobo (1745-1768), fundador da vida musical com a criação de uma orquestra sacra para acompanhar os ritos religiosos.



Foi com essa orquestra, que o padre conseguiu despertar na vida do povo itabaianense o gosto pela música, essa raiz construída por ele pode haver uma continuação do seu trabalho e Itabaiana pode permanecer nesta vida musical. Em 1879, Samuel Pereira de Almeida filho da terra, trouxe de Salvador, instrumentos, transformando a orquestra em filarmônica e dando-lhe o nome de Eufrasina, sendo que esse período foi curto apenas de 1879 a 1897, quando se extingue. Sua criação se deu de fato em 31 de outubro de 1897, mudando apenas de nome passou a se chamar Filarmônica Nossa Senhora da Conceição aproveitando-se os instrumentos da Filarmônica Eufrasina. A sua presença está nos eventos festivos da cidade tais como procissões, inaugurações entre outros eventos não só municipais como também fora do município. Hoje a Filarmônica recebe também o nome de Orquestra Sinfônica de Itabaiana, tendo também em sua sede um museu de música que foi inaugurado em 28 de Agosto de 1998, onde estão expostos instrumentos musicais do século passado como também o acervo da filarmônica constituído de várias partituras de compositores e mestres itabaianenses (como os chama Sebrão Sobrinho). A Filarmônica foi celeiro de grandes músicos como Jorge Americano Rego, ex-regente da banda do 28º BC e pai de Luiz Americano que marcou a memória musical brasileira, reconhecido nacionalmente como instrumentista e compositor exímio.



Manifestações Folclóricas de Itabaiana

As danças folclóricas antigamente se diziam que a ciência das tradições dos usos e crenças, da literatura popular, compreendia o conhecimento do folclore admitia que a vida popular, tento no aspecto espiritual como no material, devia servir como tema de estudo do folclore, assim, vem sendo aos poucos aumentada à importância do folclore em nosso país. Em 1954, no Congresso internacional de São Paulo, o fenômeno folclórico passou a ser definido como uma expressão de experiência particular de vida, e a vida está expressa na dança, nos versos, no artesanato, na atmosfera das festas tradicionais. As danças folclóricas são expressões de emoção, idéias, significado especial. As nossas danças folclóricas brasileiras foram embaçadas entre brasileiros nativos (portugueses, africanos, holandeses, franceses, colonos, italianos, alemães, austríacos, polonesês e outros) que com a sua bagagem de tradição e cultura trouxeram vasta e valiosa contribuição. Geralmente estas manifestações são transmitidas pelos pais aos filhos. A festa de Santo Antônio, uma festa mesclada do tradicional sagrado e profano, ao mercado terapêutico de raízes e plantas, os resquícios do carnaval, a micareta, os paus de sebo, as festas do mastro, o reisado fazem parte do acervo tradicional e oral da cultura do povo na cidade serrana. No antigo Cruzeiro, atual Bairro São Cristóvão, tem artesanato de barro com a fabricação de potes e utensílios de cozinha como panelas, pratos, etc. estes produtos são comercializados na feira de nossa cidade. Abordaremos as seguintes manifestações:

Nossa cidade guarda em sua memória relevantes nomes de pessoas que contribuíram para o desenvolvimento Cultural do Estado especialmente em Itabaiana. “Não resta a maior dívida que os serranos são homens afeitos ao comércio e competentes financistas, mas há a vertente cultural. Na construção da Historia Cultural de Sergipe, há presença de itabaianense, pesquisadores artistas, historiadores, folcloristas políticos e grandes comerciantes” (Núbia Marques, 1999, p.39).



  filhos ilustres de Itabaiana:



Francisco Antônio de Carvalho Lima Junior

Nasceu em Itabaiana em 4 de Junho de 1859 e morre no Rio Janeiro em 1 de Fevereiro de 1929. Foi republicano emérito e trabalhou pela Proclamação da República nos municípios de Penedo, Triunfo, Traipú, São Brás em Alagoas: em (Vila Nova), hoje Neópolis, Própria, Gararu, Porto da Folha, em Sergipe. Autor da “Historia dos limites entre Sergipe e Bahia”.

Wanderley, uma referência, grande  conhecedor da história de Itabaina, um dos filhos inlustres




General José Calazans

Nasceu em Itabaiana em 27 de Agosto de 1863 e morreu em Aracaju 31 de Outubro de 1948. Era engenheiro, chefiou a comissão encarregada da construção do Sanatório de Campos de Jordão e fez parte da comissão da Vila Militar. Foi o primeiro Presidente Constitucional de Sergipe em 1892.



Sebrão Sobrinho ou José Sebrão de Carvalho

Nasceu em Itabaiana, em 6 de Agosto de 1898 e morreu em Aracaju a 15 de Março de 1972. Irmão de José e Alencar de Carvalho, compositor conhecido como cisne de Itabaiana. Filho de Anita Carvalho (poetisa) e José Guaraná de Carvalho (Joça, o músico). Sebrão Sobrinho fez seus estudos preliminares em Itabaiana, manteve uma escola primária tendo sido professor de personalidades ilustres como Silvio Teixeira, José Sinzino de Alencar e Antônio Melo entre muitos. Foi secretário do conselho de Intendência Municipal e Promotor Público. Vindo a residir em Aracaju (1926) continua sua atividade pedagógica, montando uma escola nessa cidade.



Maria Thetis Nunes

Professora aposentada da Universidade Federal de Sergipe, pesquisadora que muito tem contribuído para a historiografia sergipana, primeira mulher a chegar ao cargo de vice-reitoria e Reitora da UFS. Membro da Academia Sergipe de Letras onde ocupa a cadeira nº39 cujo Patrono é Joaquim Martins Fontes e o Fundador Epifânio Dórea. Autoria de várias obras como: Autora de “Ocupação Territorial da Vila de Itabaiana” A disputa entre lavradores e criadores/1976.



Vladimir Souza Carvalho

Nasceu em Itabaiana em 6 de Abril de 1950 Filho de Juba e Maria de Souza Carvalho. Fez o primário e o ginásio em sua terra natal, completando os estudos em Aracaju onde cursou o clássico, diplomando-se em Direito pela Faculdade de Direito de Sergipe. Foi datilógrafo do extinto INPS e da Justiça Federal de Sergipe, ingressando posteriormente na magistratura estadual sergipano, tendo sido Juiz de Direito da Comarca da Nossa Senhora da Glória e Campo do Brito, respectivamente. Folclorista, contista pesquisador, ficcionista e grande estudioso da cultura itabaianense.



Maria Vieira de Mendonça

Conhecida por Maria Mendonça, nasceu em 21 de fevereiro de 1954. Foi ex-aluna da escritora Núbia Marques, educada, inteligente. Graduada em administração escolar pela Faculdade Pio Décimo. Está sempre presente nos eventos culturais. Participou de congressos Latino-americanos. Eleita deputada estadual em 1994 e 1998 e em 2004 foi eleita prefeita de Itabaiana. Segundo Núbia Marques, 1999, p.45: “A presença da mulher na política tem em Maria uma forte presença. Calma e firme é a sua conduta”.



Melcíades de Souza

Nasceu em Itabaiana em 14 de fevereiro de 1957. Filho de Antonio Bispo de Souza e Maria Vieira de Souza. É pintor, desenhista, ilustrador, projetista, decorador, músico, arquiteto e relações públicas. Melcíades é um pintor que na sua expressão artística, o homem do agreste. O Vaqueiro é um tipo que ele conseguiu estilizar com a feição do seu habitar. O que não é de estranhar, pois Itabaiana sempre teve na sua vida econômica, desde os primeiros momentos de nossa colonização, a criação de gado, as pastagens e as pequenas propriedades agrícolas.



José Mesquita da Silveira

Conhecido por Zeca Mesquita, nasceu em 8 de março de 1899 em Maruim, mas, itabaianense de coração, pois deixou a sua terra natal aos 8 anos de idade, por volta de 1907 e veio morar em Itabaiana. Faleceu em 16 de outubro de 1981, aos 82 anos de idade. O primeiro passo dado em Itabaiana no sistema de comunicações foi feito pelo empresário em 1948 através do serviço de auto-falante popular.



Aspectos Sociais



Futebol

Em Itabaiana na década de vinte, surgi dois clubes esportivos: Santa Cruz e o Brasil. Em dez de julho de 1938, foi fundado o Bota-fogo, com sede provisória na Rua Barão do Rio Branco. No dia 6 de novembro do mesmo ano, o senhor Irineu Pereira de Andrade muda o nome do referido time para Itabaiana Esporte Clube. Na década de cinqüenta houve modificação definitiva do nome para Associação Olímpica de Itabaiana. E a escolha das cores azul vermelha e branca, e a partir deste momento passou a ter grande expressão a nível nacional.



Meios de Transportes, segurança, educação e saúde



Transportes

Itabaiana, cidade que possui um grande número de transportes, facilitando a vida econômica do município. Ela possui atualmente um grande fluxo de caminhões de carga, que transportam as nossas riquezas para todo o estado de Sergipe e do Brasil, por isso Itabaiana á chamada “Capital dos Caminhões”.



Segurança

Devido ao grande crescimento populacional de Itabaiana a questão da segurança em nosso município é precária. Temos uma delegacia das mulheres que atende a queixas feitas pelas mulheres a respeito dos seus cônjuges. O batalhão – que é composto pelos policiais militares. A delegacia regional de Itabaiana não possui veículos suficientes para prestar serviços à comunidade urbana e rural, fazendo de maneira que deixa muito a desejar.



Saúde

Em nossa cidade em termos estão localizados o hospital Dr. Pedro Garcia Moreno, que atualmente foi reformado e ampliado, atendendo as cidades circunvizinhas em casos de urgência média; a Maternidade São José, que presta um relevante papel, principalmente as parturientes de toda região; alem de inúmeras clinicas e consultórios particulares.



Educação

Desde 1925 a instrução em Itabaiana passou a ter uma importância maior no que se refere à educação sistemática no padrão instituição, porque a muito que a aprendizagem existia fora desses padrões. No setor educacional, Itabaiana ficou marcada pela historia a presença de Tobias Barreto que lecionava latim para os alunos de um notável poder econômico daquela época. Mesmo com a ampliação da instrução pública, ano se atinge todos os graus de ensino, somente o primário. Só em 1949 é que foi surgido Ginásio e em seguida o 2º grau. Possuímos 62 escolas de ensino infantil (3.546 alunos), 80 de ensino fundamental (16.474 alunos), 6 de ensino médio (2.581 alunos) e duas Universidades, sendo uma particular (UNIT) e outra Federal (UFS), além do Projeto de Qualificação Docente (PQD) e a Universidade Vale do Acaraú (UVA).



Fontes :

CONHECENDO ITABAIANA

D:\Documents and Settings\Administrador\Desktop\ITABAINA\FOTOS E HISTÓRIA DE ITABAIANA.mht

4 comentários:

  1. Marcia Cristina americo ,viviane luiz ,martim ferreira ,adriano@piracicaba.sescsp.org.br

    ResponderExcluir
  2. Olá gostaria de convidá-lo a conhecer meu trabalho através do blog Ecos do Teleco Teço (WWW.ECOSDOTELECOTECO.BLOGSPOT.COM) . Grande abraço e sucesso com sua proposta !! Axé

    ResponderExcluir
  3. visitei este blog show de bola, recomendo a todos, muito bom

    blog Ecos do Teleco Teço (WWW.ECOSDOTELECOTECO.BLOGSPOT.COM) . Grande

    Adailton

    ResponderExcluir
  4. Alguém sabe me informar quantos irmãos teve Jorge Americano do Rego? existe ainda algum parente dele ainda vivo em Itabaiana?
    Alguém tem fotos das casas onde algum deles moraram?
    Atenciosamente,
    Luís Jorge Pinheiro
    Pesquisador.
    E-mail: jorgeentomologia@bol.com.br

    ResponderExcluir