Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

HISTÓRIA DE CARMOPOLIS - PARTE 4


HISTÓRIA DE CARMOPOLIS - PARA O CONCURSO


 Sou mais Carmopolis     Rui Acciole




FESTAS E EVENTOS


16 DE OUTUBRO - EMANCIPAÇÃO POLITICA DE CARMÓPOLIS

16 DE JULHO - FESTA DE NOSSA SENHORA DO CARMO (PADROEIRA DO MUNICÍPIO)

15 DIAS ANTES DO CARNAVAL - CARMOFOLIA

1 DE JANEIRO - FESTA DE BOM JESUS DOS NAVEGANTES (AGUADA)

24 DE JUNHO - SÃO JOÃO (AGUADA) - Batalhão de Bacamarteiros

29 DE JUNHO - SÃO PEDRO - Batalhão de Bacamarteiros

SABÁDO DE ALELUIA - FESTA DO SAMBA DE ABOIO

ÚLTIMA SEXTA FEIRA DO MÊS - SEXTA DA CULTURA



BACAMARTEIROS

É o principal grupo e foi fundado no Povoado Aguada, ainda na época da escravidão, por volta de 1780 nos engenhos de cana-de-açúcar. Os negros se mobilizavam para a brincar samba de roda e atirar com bacamarte, arma artesanal fabricada pelos próprios negros. Todos os instrumentos musicais(pandeiro, ganzá,reco-reco e onça), bacamartes e a pólvora são fabricados pelo próprio grupo. Para a confecção dos instrumentos musicais é usada a madeira do jenipapeiro, árvore frutífera da região, couro de animais e sementes. Na fabricação da pólvora são utilizados o carvão (feito da umbaúba), cachaça e enxofre. Durante o mês de junho, os componentes se reúnem para o ritual do Pisa Pólvora.O grupo tem, atualmente, 60 componentes entre homens, mulheres e crianças. Essa manifestação é passada de pai para filho. Tem componente que tem em torno de 80 anos e o mais novo tem 7 anos. Sua dança e musica são inconfundíveis e por onde passam, contagiam a todos. Desfilam nas ruas durante os dias 24 no povoado e no dia 29 na sede do município visitando as residências de pessoas tradicionais, onde consegue agrupar centenas de pessoas que cantam e dançam suas musicas. O tradicional tiro de bacamarte é a atração. Já se apresentaram e se apresentam em cidades de vários estados do Brasil.



 

PARQUE DA MANGUEIRA


Quem chega a Carmópolis tem a disposição uma grande área verde para viver horas inesquecíveis de puro lazer.

O Parque da Mangueira oferece uma completa infra-estrutura, incluindo restaurantes, barzinhos, churrasqueiras, quiosques, quadras de esporte, campo de futebol de areia, praça, área de camping e em meio a tudo isso que você pode aproveitar o caminho natural existente no parque e fazer uma fascinante caminhada de 1.300 metros entre mangueiras, dendezeiros, cajazeiras, mulungus, palmeiras e várias outras arvores, muitas delas seculares. Pode também apreciar os riachos que nascem no meio da mata e formam duas piscinas. No parque você sente a plenitude da natureza, e toda a sua beleza

PRÓXIMO Nº  05
____________________
FONTE :  Sou mais Carmopolis     Rui Acciole

HISTÓRIA DE CARMOPOLIS - PARTE 03

HISTÓRIA DE CARMOPOLIS  PARA O CONCURSO



Postado por Sou + Carmópolis
Rui Acciole





PATRIMONIO

IGREJA DE SANTANA DO MASSACARÁ

A igrejinha de Santana do Massacará tem como padroeiro Nossa Senhora Santana, está situada em uma chácara, denominada Santana, nas margens da rodovia estadual que interliga o Povoado Aguada a sede do município e está distante da mesma em 3 km

Foi construída em fins do século passado, sob inspiração dos carmelitas e hoje é um patrimônio cultural-religioso. Seu estilo colonial, suas imagens e altares revestidos de ouro, são retratos de uma época de riqueza e fé. Os restos mortais do ex-Governador Leandro Maciel estão guardados em uma urna

Samba de Aboio ou Samba de Bate-Coxa

Grupo de influencia negra que teve sua origem a muitos e muitos anos atrás, quando ainda existia cativeiro, uma menina angolana chamada TAMASHALIM ECUOBANKER foi vendida para o engenho São João, no município de Japaratuba. Esta se casou e veio a ter uma filha chamada de Maria da Solidade, que por sua vez também se casou e teve três filhos, Manoel Francisco da Mota, João Francisco da Mota e Maria Benedita da Mota, que ao completar mais ou menos 10 anos de idade encontrou na margem de um tanque, uma estranha pedra e correu para casa dizendo ter encontrado uma boneca e sua avó, TAMASHALIM ECUOBANKER, por ser nagô, tinha certos conhecimentos, lhe disse que era Iansã, à qual chamamos de SANTA BÁRBARA. Então, se passou a comemorar o Festejo de Santa Bárbara em todos os Sábados de Aleluia e em todos os Domingos da Ressurreição. Maria Benedita veio a falecer, e a sua mãe, Maria da Solidade continuou a festejar até sua morte em 1947, a partir dai seus filhos mantiveram a tradição até 2001. A festa de Santa Bárbara, através do Samba de Aboio tem à frente José Francisco Mota de Assis e conta com a cooperação de filhos, irmãos, sobrinhos e netos. O grupo dança em roda, defronte a sua sede, no Povoado Aguada cantarolando suas musicas, e sempre tem dois participantes no meio e estes, aproximam-se e colocam peito com peito, apoiando-se mais nos ombros e ambos afastam a coxa o mais que podem e choca-se num golpe rápido, sendo que apos o contato, estes se retiram convidando outros participantes para continuar a brincadeira. Durante as festividades são fornecidos pirões de carne de bode e de galinha de capoeira

Passeio pelo Rio Japaratuba

Um belo passeio que pode ser feito através de barcos ou canoas e no trajeto, várzeas, manguezal, coqueiral, fazendas, povoações e o encontro do rio com o mar na cidade litorânea de Pirambú.

Farmácia Viva

Criada na administração do ex-prefeito Theotônio Neto, é parte integrante do Projeto Ouro Verde, que prevê ações nas áreas de preservação ambiental e produção de alimentos. A farmácia viva preserva e explora plantas medicinais transformando esses recursos naturais em remédios e alimentos, destinados especialmente 'a população carente da região e é mantida pela prefeitura do município

Postado por Sou + Carmópolis
 
 
 
ADMINISTRADORES


Luiz Maciel Barreto Intendente interino

01/02/1933 - Honorino Ferreira Leite - Nomeado intendente pelo decreto de 29/12/32

13/08/1934 - Antônio Amaral Lemos - Nomeado intendente pelo Major Interventor Federal

14/04/1935 - Francisco Teles Barreto - Nomeado intendente pelo Governador do Estado em 08/04/1935 -

09/08/1935 - Simeão Amaral Lemos - Nomeado Prefeito pelo Governador do Estado

14/12/1935 - José Lino Filho - Prefeito eleito

02/12/1937 - José Lino Filho - Prefeito nomeado pelo Interventor do Estado Eronildes Ferreira

22/02/1939 - Fenelon da Costa Cardoso - Prefeito nomeado pelo Interventor do Estado

31/08/1940 - José Amado Alves - Prefeito nomeado pelo Interventor do Estado em 29/08/40

03/08/1941 - José de Aguiar Lemos - Prefeito nomeado pelo Interventor do Estado (29/07/41)

12/02/1943 - José Ferreira Passos - Prefeito nomeado pelo Interventor do Estado (02/02/43)

01/02/1945 - Anizio Teles Barreto - Prefeito nomeado

19/04/1947 - Marcionilo de Melo Lopes - Prefeito nomeado pelo Governador do Estado

05/11/1947 - Alberto Narciso da Cruz - Prefeito eleito em 19/10/47

01/02/1951 - Simeão Amaral Lemos - Prefeito eleito

03/06/1951 - Cantidiano Rosa Bomfim - Presidente da Câmara que assumiu as funções em vista do afastamento de Simeão Amaral Lemos para tratamento de saúde

21/07/1951 - Simeão Amaral Lemos - Prefeito que reassumiu o cargo

05/05/1954 - Gilberto Amaral Lopes - Prefeito eleito pela Câmara de Vereadores em 15/05/54

14/05/1954 - Cantidiano Rosa Bomfim - Presidente da Câmara que assumiu como Prefeito

06/02/1955 - Hermes Fontes da Cruz - Prefeito eleito em 3/10/54 pelo Partido Republicano

31/01/1959 - Roberto do Prado Sobral - Prefeito eleito pelo Partido Republicano





03/02/1963 - Ariovaldo Ferreira de Souza - Prefeito eleito pelo Partido Republicano

02/02/1967 - Ariovaldo Ferreira de Souza - Interventor municipal nomeado pelo Governador



30/03/1967 - Gilberto Amaral Lopes - Prefeito eleito pela ARENA



31/01/1971 -José Fontes Barreto - Prefeito eleito pela ARENA

31/01/1973 - Manoel Joventino Magalhães - Prefeito eleito pela ARENA

01/02/1977 - Volney Leite Alves - Prefeito eleito pela ARENA



31/01/1983 - Gileno Alves de Melo - Prefeito eleito pela PDS



01/01/1989 - Theotonio Narciso da Cruz Neto - Prefeito eleito

24/04/1989 - José Fernando dos Santos - Vice-Prefeito assumiu durante viagem do titular ao Espirito Santo

29/04/1989 - Theotonio Narciso da Cruz Neto - Reassumiu o cargo

12/09/1991 - José Fernando dos Santos - Vice-Prefeito assumiu durante viagem do titular a Alemanha

22/10/1991 - Theotonio Narciso da Cruz Neto - Reassumiu o cargo

170/8/1991 - Idelfonso Cruz Oliveira - Presidente da Câmara assumi tendo em vista viagem ao Rio de Janeiro

25/08/1991 - Theotonio Narciso da Cruz Neto - Reassumiu o cargo

01/01/1993 - Volney Leite Alves

01/01/1997 - Theotonio Narciso da Cruz Neto

01/03/2000 - Idelfonso Cruz Oliveira - Vice-Prefeito assumiu durante viagem do titular

10/03/2000 - Theotonio Narciso da Cruz Neto - Reassumiu o cargo

29/12/2000 - Idelfonso Cruz Oliveira - Vice-Prefeito assumiu durante viagem do titular

01/01/2001 - Volney Leite Alves

01/01/2005 - Volney Leite Alves

01/01/2009 - Esmeralda Mara Silva Cruz
 
 
PRÓXIMO Nº 4
 
_____________
Estas postagens sao de autoria do blog  Sou + Carmópolis - Rui Acciole

HISTÓRIA DE CARMOPOLIS - PARTE 02





FONTE: Postado pelo Blog


O MUNICÍPIO


LOCALIZAÇÃO

O município está localizado na região leste do Estado de Sergipe, limitando-se com o município de Japaratuba ao norte, Rosário do Catete a oeste, a sul com General Maynard e a leste com Santo Amaro das Brotas e Pirambú. Suas coordenadas são Latitude 10º 33′ 45″ SUL e 36º 57′ 23″ de longitude oeste. A sede do município está situado no cimo de um planalto com 60 metros de altitude




ÁREA

A área municipal abrange 45,91km2. Além da sede o município possui um povoado denominado: Aguada.

POPULAÇÃO

Segundo dados do IBGE, através do Censo Demográfico de 2000, o município possui uma população de total de 9.352 habitantes, sendo 7.606 residentes na área urbana. A Contagem da População realizada pelo IBGE em 2007 já credita 11.911 habitantes

ECONOMIA

As principais atividades econômicas do município são a mineração, agricultura, pecuária e avicultura. O Coco-da-baía destaca-se dentre os produtos agrícolas sendo seguido pela banana, mandioca, feijão, milho, manga, amendoim e goiaba. Os galináceos predominam na avicultura. A criação de bovinos enfatiza-se em maior quantidade, ainda há a de eqüinos, suínos, muares e ovinos. Na mineração a produção de petróleo e gás gera grande receita para o município. O comércio é médio e bem diversificado. Na indústria, têm-se fábricas de beneficiamento de coco-da-india e sabão.

AGUADA

Único povoado de Carmópolis, distante a 7 kms do municipio, está interligada ao mesmo por uma rodovia asfaltica, estando bem localizado entre os municípios vizinhos.Possui água encanada e energia elétrica em todas as residencias e dispõe de telefone fixo, todos os logradouros são pavimentados à paralelepipedos, funcionam 3 escolas do ensino fundamental e um jardim de infância, possui um dos melhores clubes sociais da região e dispõe de quadra de esportes e estádio de futebol



HIDROGRAFIA

Na Hidrografia o município está inserido nas bacias hidrográficas do rio Japaratuba. Constituem a drenagem principal os rios Japaratuba, Siriri e Riachão.

CLIMA

O Clima é megatérmico umido a sub-úmido, com temperatura média anual de 25,0oC, precipitação pluviométrica média no ano de 1.400mm e período chuvoso de março a agosto.

RELEVO

O seu relevo apresentam Planície Litorânea, Tabuleiro Costeiro e Planície Fluvial.

VEGETAÇÃO

A vegetação está caracterizada por Capoeira, Campos Limpos e Sujos, Caatinga e vestígios de Mata.Entre as árvores tem-se angelim, araça, araticum do brejo, aroeirinha, brauna, biriba, burra leiteira, cajazeira, camarão, cambotá de leite, canafistula, cedro, cuiri, dendezeiro, espinheiro branco, goiabeira, ingázeira, ipê amarelo, ipê roxo, itapicuru, jaqueira, jenipapeiro, juá, louro, mangueira, mau vizinho, moisés, mulungu, murici, pau sangue, pau pombo, pau ferro, pé de galinha, sapucaia, sucupira, tucum, umbauba

SOLOS

Os solos são Podzólico Vermelho-Amarelo equivalente Eutrófico, Hidromórficos e Podzólico Vermelho-Amarelo.

FAUNA

A fauna é composta por gaviões, corujas, beija-flores, sapos, cotia, gambá, preá, tatu-peba e o sagüi.





DATAS HISTÓRICAS

01.01.1923 - Instalação do Município e posse do primeiro Intendente – Francisco Teles Maciel.

06.02.1954 - Lei 554 – Eleva o Município a Termo Judiciário – Comarca de Japaratuba.

24.02.1965 - Primeiro Embarque de Petróleo, para as Refinarias da Bahia, por via férrea.

29.02.1919 - Sai a primeira edição do Jornal “A Voz do Povo”, empunhando a bandeira da libertação.

28.03.1938 - Decreto-Lei 69 – Eleva a Sede Municipal à categoria de Cidade.

01.05.1991 - Inauguração da Rádio-FM “Ouro Negro”, instalada no alto do Cerro de Maçacará.

01.05.1992 - Inauguração do Distrito Industrial,

04.05.1913 - Nasce em Carmópolis o poeta José Sampaio.

23.05.1897 - Nasce no Engenho Poções, ainda território de Rosário, o Patrono da Libertação – Francisco Teles Maciel.

01.07.1974 - Editado o primeiro número do “OURO NEGRO” - Boletim Informativo da Prefeitura de Carmópolis – sob a direção do jornalista Antônio Carlos da Conceição.

15.08.1963 - Descoberto o petróleo na Fazenda Mercês de Baixo.

16.10.1922 - Sanção da Lei 831 – Transforma o Distrito de Paz da Vila do Carmo em Município, estabelecendo definitivamente a Emancipação política.

26.10.1894 - Lei 83 – Eleva o Povoado do Carmo à categoria de Vila, continuando ainda subordinada a Rosário.

07.11.1921 - Lei 819 – Cria o Distrito de Paz do Carmo, delimitando o seu Território.

07.12.1964 - O Presidente da República – Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco – visita o Campo Petrolífero de Carmópolis e é recebido na Prefeitura, pelo Prefeito – Ariovaldo Ferreira de Souza, o Presidente da Câmara de Vereadores – Gilberto Amaral Lopes, o Chefe da Agência Municipal de Estatística – Antônio Carlos da Conceição, Vereadores e outras Autoridades.

15.12.1938 - Decreto-Lei 150 – O Município de Carmo passa a ser Distrito de Paz de Rosário – Comarca de Maroim (Distrito de Paz é Divisão Administrativa Judiciária).

31.12.1943 - Decreto-Lei 377 – O Município de Carmo tem o seu Topônimo mudado para CARMÓPOLIS.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PERSONALIDADES

João Gomes de Mello (Barão de Maruim) - Nasceu em 18 de setembro de 1809 no Engenho da Santa Bárbara. Ele era proprietário das terras onde hoje se localiza o bairro Salusto Vieira de Melo (Bairro Invasão), em Carmópolis.
Na verdade 3 municipios querer ter Joao Gomes de Melo o Barão de Maruim como Filho ilustre , o proprio Maruim, Rosario e Carmopolis, mas nem um dos tres podem dizer isso

Quando  o Barão  de Maruim Nasce tudo alí era Santo Amaro das Brotas.
Enatão o Barao de Maruim é filho de Santo Amara nao de Carmopolis, nem Rosario e nem tão pouco Maruim.

José Sampaio - Nasceu na Vila do Carmo em 2 de maio de 1913. Começou os estudos em Carmópolis na escola de Dona Sirene. Ainda pequeno, mudou-se para Riachuelo. No início dos anos 30 trabalhou no comércio e escreveu seus primeiros poemas. De 1936 a 1944 colaborou com vários jornais e revistas.

Francisco Teles Maciel - Nasceu em 23 de maio de 1887. Ao lado de seu irmão José Teles Maciel, foram as figuras políticas de maior projeção na história de Carmópolis. Além da condição de agricultor e dono de engenho de açúcar, ele também se dedicava a mecânica. Foi um homem de visão social e de grande liderança política. Tornou-se o primeiro intendente, empossado em 1º de janeiro de 1923. Após cumprir o mandato de intendente, o líder do Engenho Porções foi eleito deputado estadual.

Manoel Joventino Magalhães - Nasceu na cidade de Tacaratu/PE, em 3 de setembro de 1920. Posteriormente fixou residência na cidade de Carmópolis onde entrou para o comércio, vendendo tecidos em sua residência e na feira da cidade, e depois abrindo sua loja em prédio próprio. Prosperou bastante, chegando a ser um dos principais comerciantes de Carmópolis. Foi suplente de vereador, assumindo o cargo de secretário e prefeito eleito.

Ignácio Felino Barreto - Nasceu em Carmópolis em 20 de fevereiro de 1906. Entrou na atividade econômica como comerciante e fez carreira política, sucedendo seu pai, ao lado do grande amigo e líder político Leandro Maynard Maciel, de quem nunca se afastou. Como líder político comandou a oposição ao dr. Octávio da Usina Oiterinhos, chefe do Partido Republicano, não conseguindo derrotar o adversário que representava o poder econômico do município. Com a morte dele, as lutas político-partidárias perderam a expressividade.



Gentil Acciole Gomes - Agricultor, comerciante e político. Elegeu-se vereador e tomou posse como vice-prefeito em 1967, morreu em 21 de fevereiro de 1973, assassinado friamente por um vizinho de terra quando se dirigia para o trabalho em sua propriedade.

Antonio Carlos da Conceição (Carlito) - Nasceu em Carmópolis, no antigo Arraial da Coruba, em 16 de janeiro de 1916. Passou por várias escolas primárias, abandonando-as sempre para trabalhar, já que era muito pobre. Passou pelo Grupo Escolar General Siqueira, em Aracaju, aos 9 anos de idade. É a memória viva de Carmópolis. É dele o hino do município.

OUTROS FILHOS ILUSTRES:

Honorino Ferreira Leite

Hermes Fontes Cruz

Manoel Cirino dos Santos

Cantidiano Rosa do Bomfim

Marcionilo de Melo Lopes

Anísio Teles Barreto

José Amado Alves

José Teles Maciel

Alberto Narciso da Cruz


_________________
FONTE:
 Postado pelo Blog
 


































HISTÓRIA DE CARMÓPOLIS - PARTE 01



Carmópolis Histórico



Adailton Andrade


Rancho foi o nome primitivo de Carmópolis. Seu nascimento como povoado data do fim do período Colonial e início do Império resultando de um simples ponto de parada de feirantes; estes aí se reuniam para atravessar em grupo a antiga mata do Bonsucesso, onde havia mocambos de escravos fugidos dos engenhos da Cotinguiba, que com freqüência atacavam os vianjantes. A denominação posterior de Carmo, tem sua origem provável na influência dos Padres Carmelitas da Missão de Japaratuba, os quais, segundo D.Marcos de Souza - Memória da Capitania de Sergipe - 1808, visitaram "as correntes dos dois famosos Japaratuba, dos dois deliciosos Lagartixos e do puro Siriry. Todos estes rios deságuam no mar, quatro léguas abaixo da Missão de Nossa Senhora do Carmo". Do magnífico subsídio de D.Marcos de Souza à História de Sergipe, em que localizava a "Missão de Nossa Senhora do Carmo" quatro léguas acima da atual povoação de Pirambu, na barra do Japaratuba, tira-se a conclusão de que nenhuma dúvida pode ser suscitada quanto à passagem dos Carmelitas por Carmópolis, quando a atual cidade não passava de incipiente povoação. Data dessa época a construção da Igreja de Santana do Massacará, situada a pequena distância de Carmópolis O Município, criou-o a Lei estadual n.° 795, de 23 de outubro de 1920, com território desmembrado do de Rosário; a criação do distrito deve-se à de n.° 819, de 7 de novembro de 1921. Instalado em 1.° de janeiro de 1923, figura o Município de Carmo, em 1933, com um só distrito. Decreto-lei estadual n.° 377, de 31 de dezembro de 1943, modificou para Carmópolis o topônimo do Município e do distrito. Até a presente data permanece o Município de Carmópolis com o distrito único da sede. É Termo vinculado à Comarca de Japaratuba.
As referências mais antigas sobre o território que forma hoje as terras de Carmópolis, a 47 quilômetros de Aracaju, são de 1575, quando as colunas do conquistador Cristóvão de Barros começaram a invadir Sergipe. Depois de exterminar várias nações indígenas, ele doa ao filho, Antônio Cardoso de Barros, boa parte das terras do norte de Sergipe, entre os rios Japaratuba e São Francisco.No fim do período colonial e início do império nascia uma povoação denominada ‘Rancho’. A aldeia surgiu como um ponto de parada de feirantes que ali se aglomeravam e passavam em comboio para a antiga Mata do Bom Sucesso.



 Nela existia um quilombo formado por escravos que fugiam dos engenhos do Cotinguiba e atacavam os viajantes.Depois da chegada dos padres Carmelitas, o povoado Rancho passou a se chamar Carmo.





Num ponto mais alto daquelas terras foi instalada a Missão de Japaratuba e erguida a Igreja de Santana do Massacará. Mas logo depois os religiosos transferiram a missão para o Monte do Carmo de Japaratuba, algumas léguas mais adiante. Não se sabe ao certo, mais acredita-se que a transferência se deu por conta de uma epidemia de varíola. Em 1808 a população indígena nas terras que formam Carmópolis chegou a 300 pessoas.Por muitos anos a agricultura e a pecuária formaram a base da economia de Carmópolis. O município chegou a  ter uma grande produção de cana-de-açúcar, apesar de não possuir usinas. Na pecuária, o rebanho de bovinos chegou a ter 4 mil cabeças. Mas a partir da década de 50, a agricultura e pecuária tiveram queda significativa até na extinção da cana-de-açúcar.






Em 15 de agosto de 1963 a Petrobras descobriu petróleo no campo de Carmópolis. Esse campo abrange os municípios de Japaratuba, Rosário do Catete, Santo Amaro das Brotas, General Maynard e Maruim, o que o torna um dos maiores do Brasil.

A perfuração inicial do poço de Carmópolis começou no dia 1º de agosto de 1963 e o teste de produção foi realizado quinze dias depois. A produção de petróleo naquele poço começou no dia 4 de outubro do mesmo ano, onde eram extraídos cem barris por dia.



No dia 8 de dezembro de 1964, o presidente da República, Castelo Branco, esteve em Carmópolis inspecionando os poços. Em 1967 foi construído o oleoduto Carmópolis - Atalaia Velha. No dia 14 de julho de 1968 o presidente da República, Costa e Silva, também esteve em Carmópolis para acompanhar os trabalhos da Petrobras.





Formação Administrativa
Gentílico: carmopolense

Distrito criado com a denominação de carmo, pela lei estadual nº 819, de 07-11-1921, subordinado ao município de Rosário. Elevado à categoria de município com a denominação de Carmo, pela lei estadual nº 795, de 23-10-1920, desmembrado de Rosário. Sede no atual distrito de Carmo. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1923. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937. Pelo decreto-lei estadual nº 377, de 31-12-1943, revogado pela lei nº 533, de 07-12-1944, o município de Carmo passou a denominar-se Carmópolis.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.



Alteração toponímica distrital
Gentílico: carmopolense


Carmo para Carmópolis alterado, pelo decreto-lei estadual nº 377, de 31-12-1943, revogado pelo decreto nº 533, de 07-12-1944.


PARTE 2
EM BREVE .




_____________________

Licenciado em História, pós-graduado em Ensino Superior em História. Pós Graduando em Sociedade e Cultura Sergipana, aluno especial de mestrado em Ciências Sociais da Universidade Federal de Sergipe. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe.Membro na qualidade de pesquisador dos Grupos de Estudo e Pesquisa da UFS: Estudo do Tempo Presente / UFS. Grupo de Estudos e Pesquisas em História das Mulheres (UFS / CNPq) Grupo de Estudos e Pesquisas Processos Identitários e Poder /UFS . Professor da rede particular e Pública de ensino. Contato : adailton.andrade@bol.com.br adailton_andrade@hotmail.com