Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

HISTÓRIA POLÍTICA DE ROSÁRIO DO CATETE



ALOÍSIO DANTAS DE MENDONÇA


PREFEITO DE ROSÁRIO DO CATETE NO
PERÍODO DE 1964 A 1967


Adailton Andrade



Nasceu no dia 1º de abril de 1916 no engenho Ilha, município de Rosário do Catete-Sergipe. Filho de Abílio Curvelo de Mendonça e dona Josefina Gomes Dantas, seus avós paternos foram Mathias Curvelo de Mendonça e dona Ermida Joaquina da Silva Mendonça (proprietários do engenho Ilha); seus avós maternos Manoel Gomes Dantas e dona Josefa Cecília Gomes Dantas (proprietários do engenho Aruarí município de Santo Amaro das Brotas).

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

O IHGSE TEM NOVO PRESIDENTE !

Samuel Albuquerque






PROFESSOR DA UFS É ELEITO PRESIDENTE DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE SERGIPE


Samuel Albuquerque, professor do curso de Museologia da UFS, foi eleito presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe -- IHGSE. A eleição ocorreu no dia 17 de dezembro de 2009, quando mais de 70% dos sócios regulares do Instituto elegeram a nova Diretoria.

O Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, carinhosamente conhecido como a “Casa de Sergipe”, sempre foi capitaneado por figuras de elevado capital social e, desde a década de 1940, renomados “intelectuais da educação” passaram a presidir o sodalício, como José Augusto da Rocha Lima (1941/1945), José Calasans Brandão da Silva (1945/1947), João Batista Perez Garcia Moreno (1947/1951), Felte Bezerra (1951/1953), José da Silva Ribeiro Filho (1965/1967), José Bonifácio Fortes Neto (1967/1969) e Maria Thetis Nunes (1972/2003).

O professor Samuel Albuquerque substituirá o historiador e cientista político Ibarê Dantas, que preside o Instituto desde 2004.

Segundo o presidente eleito, o principal desafio da sua gestão será dar continuidade a ampla reforma promovida por Ibarê Dantas no Instituto. “É preciso dar mais visibilidade e ampliar o diálogo do Instituto com a sociedade sergipana. É preciso dar continuidade ao processo de modernização do Instituto e democratização do seu acervo. É preciso continuar restaurando e conservando os acervos do museu, pinacoteca, arquivo e biblioteca do Instituto. É preciso garantir a periodicidade da Revista do IHGSE, o mais antigo periódico científico em circulação no Estado. É preciso conservar as parcerias do Instituto com a UFS, com o Governo do Estado de Sergipe e com a Prefeitura de Aracaju.... Enfim, é necessário garantir que o Instituto continue sendo um dos principais centros de pesquisa e preservação da memória em Sergipe”, diz o professor Samuel.

Para atingir seus objetivos, Samuel Albuquerque contará com uma equipe de peso, composta, inclusive, por professores e ex-professores da UFS. A vice-presidência será ocupada por Ibarê Dantas, que auxiliará o novo presidente, transmitindo-lhe sua experiência de gestor do Instituto. Josefa Eliana Souza, do Departamento de Educação da UFS, será a secretaria geral. Terezinha Oliva será a oradora do Instituto, primeira mulher a ocupar o referido cargo. A nova Diretoria conta, ainda, com José Vieira da Cruz (1º secretário), José Rivadálvio Lima (2º secretário), Saumíneo Nascimento (1º tesoureiro) e Igor Moraes Albuquerque (2º tesoureiro).

A posse de Samuel Albuquerque e da nova Diretoria do IHGSE ocorrerá na do dia 19 de janeiro, no auditório do próprio Instituto, localizado à Rua Itabaianinha, 41.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

MANOEL CABRAL MACHADO

HISTÓRIA DE ROSÁRIO DO CATETE




O INTELECTUAL FILHO ILUSTRE DE ROSÁRIO DO CATETE



Por Luiz Antônio Barreto

Manuel Cabral formou-se em Direito e foi responsável pela fundação de quatro faculdades no Estado – Ciências Econômicas, Direito, Filosofia e Serviço Social – na Universidade Federal de Sergipe, onde chegou a se tornar professor emérito. Dono de uma mente brilhante, escreveu diversos ensaios, poesias e artigos sobre a sociedade sergipana, tendo sido um dos mais atuantes intelectuais do Estado. Mesmo com idade avançada, atuava como colaborador de jornais na capital. Machado era membro da Academia Sergipana de Letras e da Academia Brasileira de Ciências Sociais.
O acadêmico também possuía vasto currículo de atuação na vida pública. Foi secretário da prefeitura de Aracaju na administração de José Garcez Vieira, foi diretor do Serviço Público no governo do Estado durante a gestão de Maynard Gomes, secretário da Fazenda e chefe da casa civil no governo de José Rollemberg Leite, secretário de Educação do governador Celso de Carvalho e procurador geral no governo de Antônio Carlos Valadares. Machado chegou a ser líder do antigo Partido Social Democrático – PSD, conselheiro do Tribunal de Contas e deputado estadual por três legislaturas.






O intelectual Manoel Cabral Machado, um dos maiores vultos do século XX, que marcou com sua presença décadas seguidas com atividades inovadoras. Filho do médico Odilon Ferreira Machado (médico e prefeito em Rosário do Catete) de Maria Evangelina Cabral Machado, neto do bacharel Manoel de Lemos de Souza Machado, Manoel Cabral Machado nasceu em Rosário do Catete, em 30 de outubro de 1916, onde seu pai fixou residência como clinico, em 1915.
Criado na Capela, cidade onde seu pai voltou a fixar-se como médico, Manoel Cabral Machado adquiriu uma cidadania capelense, afetiva, presente em sua vida de 92 anos. Depois de desarnar nas primeiras letras, no interior, foi aluno dos colégios Salesiano e Ateneu, em Aracaju, iniciando-se nos movimentos de agitação política estudantil
escrevendo e pronunciando discursos, o primeiro deles diante do corpo morto do jovem Lises Campos, e filiando-se ao movimento integralista e a outras mobilizações dos jovens sergipanos da sua época. Mudando-se para Salvador e ingressando na Faculdade de Direito da Bahia, bacharelou-se na turma de 1942. Entre os convites para advogar na Bahia, ou em outro Estado, Manoel Cabral Machado preferiu retornar a Sergipe, engajando-se na vida local, já como um liberal.

Depois de curta e acidentada passagem, como Promotor nomeado, mas não empossado, de Neópolis, Manoel Cabral Machado ingressou na vida administrativa sergipana, no Gabinete do Prefeito José Garcez Vieira, passando depois a atuar no Departamento do Serviço Público, atual Secretaria de Estado da Administração, levado pelo Secretário Geral Francisco Leite Neto, que viria a ser um dos seus grandes amigos e correligionário político. Com a redemocratização de 1945 ajudou a fundar o PSD – Partido Social Democrático, candidatando-se, sem êxito, à Assembléia Estadual Constituinte.



Derrotado nas urnas, foi convidado para compor a equipe de Governo do Dr. José Rollemberg Leite, eleito em princípios de 1947, assumindo a Secretaria da Fazenda, onde implantou um sistema austero de gastos, fez uma revisão das propriedades e cobrou impostos de todos os contribuintes, fossem ou não correligionários. Sua atuação, conquanto servisse ao Estado e aos interesses públicos, provocou reações de aliados políticos e ele terminou substituído, passando posteriormente a ocupar a Secretaria de Governo. Mais tarde, por concurso público, foi Procurador do Instituto do Açúcar e do Álcool, em Sergipe.



Dedicando-se à política, sem prejuízo de outras atividades, principalmente as do magistério, que abraçou também na década de 1940, Manoel Cabral Machado foi eleito três vezes deputado estadual, aumentando em cada eleição o número de votos: 1950, 1.460 votos; 1954, 1824 votos; 1958, 2.012 votos. Na Assembléia Legislativa exerceu a liderança do seu partido e do Governo, e foi uma das vozes mais acreditadas, com uma oratória fluente, rica intelectualmente, e de forte radicalismo partidário. Sua presença na vida do PSD e nos mandatos que galgou pelo seu partido não interferiram nas suas atividades intelectuais, ou no conceito que sempre gozou no magistério secundário e superior do Estado.
Com o movimento militar de 1964 que prendeu e depôs o governador Seixas Dória, levando o vice Celso de Carvalho a assumir o Governo, Manoel Cabral Machado foi nomeado Secretário da Educação, em substituição a Luiz Rabelo Leite. Em 1966 compôs com Lourival Baptista a chapa para Governo do Estado, por via indireta, sendo eleito vice governador. Em 1970 renunciou, juntamente com o governador, sendo nomeado Conselheiro do recém criado Tribunal de Contas do Estado, onde foi três vezes presidente, aposentando-se em 1986, aos 70 anos. Foi, ainda, Consultor do Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe e Procurador Geral do Estado.
No magistério, Manoel Cabral Machado construiu uma extensa e ilustre participação, como professor de História do Brasil e História Universal do Colégio Ateneu; de Noções de Direito e Economia Política da Escola de Comércio Conselheiro Orlando; de História do Brasil e Sociologia da Educação do Colégio Nossa Senhora de Lourdes; de História do Brasil e História Universal do Colégio Tobias Barreto; de Administração e Finanças, Direito Financeiro e Direito Internacional no Curso de Administração e Finanças, da Escola de Comércio Conselheiro Orlando, que precedeu a Faculdade de Ciências Econômicas; de Valor e Formação de Preço na Faculdade de Ciências Econômicas; de Direito do Trabalho, Direito Civil e Economia Política da Faculdade de Direito de Sergipe; de Filosofia Antiga, Filosofia Medieval e Sociologia Geral; e de Sociologia da Escola de Serviço Social.
Membro da Academia Sergipana de Letras desde 1963,, ocupante da Cadeira 25, substituindo a Antonio Manoel de Carvalho Neto, falecido em 1954, Manoel Cabral Machado teve profícua atividade jornalística, no Diário de Sergipe e noutros jornais, colaborou com revistas, especialmente a da Academia Sergipana de Letras e publicou diversos livros, destacando-se: Brava gente sergipana e outros bravos (1999), Elegias a Elohim, Poemas à mãe de Deus, Aproximações Críticas (todos de 2002), Baladas de bem-querer à Bahia (2003) e O aprendiz de oboé (2005). Manoel Cabral Machado presidiu a Academia Sergipana de Letras, e freqüentou, permanentemente, as suas sessões, como um dos mais atuantes debatedores.
Foi, ainda, por muitos anos, Orador do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. Figura, também, como membro de outras entidades culturais e sociais, como a Associação Franco-Brasileira (Aliança Francesa), destacando-se, nacionalmente, como integrante da Academia Brasileira de Ciências Sociais, com sede no Rio de Janeiro.
Casado, desde 1944, com sua prima Maria de Lourdes, falecida em 2001, Manoel Cabral Machado é pai de 6 filhos: Nina Maria, advogada, já falecida, Odilon, professor e intelectual, Manoel Félix, Administrador de Empresas, Maria de Fátima, professora, Ascendina Maria, Odontóloga e Bacharela em Direito, e Antonia Lúcia. E avô de muitos netos, entre eles o Promotor de Justiça Manoel Cabral Machado Neto.
Manoel Cabral Machado faleceu em Aracaju, na noite de 13 de janeiro de 2009, de falência múltipla de órgãos, recebendo homenagens dos parentes, amigos, admiradores, ex-alunos, de companheiros rotarianos, do Tribunal de Contas do Estado, e da Academia Sergipana de Letras, onde o corpo foi velado no dia 14, sendo sepultado em Capela, no chão que tinha adotado como seu. O Governo do Estado, pelo governador interino deputado Ulices Andrade, decretou Luto Oficial, em homenagem ao ilustre professor, intelectual e homem público sergipano filho ilustre e esquecido e desconhecido pelo seus conterrâneos .


________________________
* Jornalista, historiador e diretor do Instituto Tobias Barreto e ex-secretário de Estado da Cultura. Escreve para o Portal Infonet todos os sábados.
Contato : institutotobiasbarreto@infonet.com.br

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Trânsito no início do século XX





* Andreza Maynard


Foi-se o tempo em que os sergipanos podiam se gabar de não enfrentar engarrafamentos. Ainda não estamos passando pela situação caótica dos paulistas, mas Aracaju definitivamente não é mais a mesma. O elevado número de veículos e os “descuidos” de alguns motoristas têm complicado o trânsito na capital. Em função das facilidades para adquirir um veículo mais pessoas têm procurado as revendedoras de automóveis, bem como as auto-escolas e o Detran em Sergipe para conseguir a carteira nacional de habilitação. Assim, o que se nota é que aumentou o número de veículos, motoristas e a agitação no trânsito. Tudo isso acaba tumultuando o fluxo, principalmente quando as pessoas seguem para o trabalho, escola, no horário do almoço ou no retorno para casa. E ainda há os que se julgam mais esperto que e simplesmente não cumprem as determinações do código de trânsito.

PRAÇA FAUSTO CARDOSO E SUAS HISTÓRIAS

NA MEMÓRIA DE MURILO MELINS

*Adailton dos Santos Andrade

Murilo Mellins nasceu em Neopolis antiga Vila Nova em 22 de outubro de 1928, filho do saudoso Mario Mellins que dentre outras coisas foi Intendente de Neópolis (antiga Vila Nova) uma pessoa simples, de um grande conhecimento dos fatos que marcaram a historia da capital. Alguns chamam de memorialista, outros de pesquisador, outros de guardião da historia de Sergipe, sempre puxando das lembranças a memória política e cultura da nossa gente.

UM INTELECTUAL SERGIPANO NO PODER: LOURIVAL FONTES NO SENADO FEDERAL (1955-1963)







*Aldenise Cordeiro Santos


INTRODUÇÃO:

Lourival Fontes, um dos filhos ilustres de Riachão do Dantas, foi considerado um grande pensador político de seu tempo. Ele soube se instrumentalizar das teorias e argumentações de sua época, para tecer com propriedade uma análise política, econômica e social do Brasil. Durante o Estado Novo (1937-1945), entre os anos de 1939 a 1942 esteve à frente do Departamento de Imprensa e Propaganda, o DIP, tornando-se um dos principais ideólogos do governo varguista. Além de ter tido uma apurada experiência quanto às questões internacionais, devido ao contato que teve com o mundo diplomático, enquanto foi embaixador do Brasil no México e no Canadá entre os anos de 1944 a 1950.